sábado, 8 de março de 2008

Torcida Split

Foi um torneio estrambótico do começo ao fim. Nunca houvera nem jamais houve desde então tanta coisa incomum em 3 semanas de futebol.

A Iugoslávia estreou devagar mas voltou do intervalo rasgando, pra guardar 3 num time suíço que na próxima partida arrancaria um empate do Brasil aos helveticamente marcados 88 minutos.

O segundo jogo, amornado o calor da estréia, foi um doce 4 a 1 sobre um México que já pavimentava sua tradição de embuste, tal qual sua ex-metrópole. Era pra ter sido de zero, gol de honra de pênalti depois dos 40 não alivia nem macula. Só registra.

Estranho, tudo muito do estranho; e na partida decisiva da primeira fase da Copa de 50 a vantagem do empate era da Iugoslávia sobre o Brasil. E o jogo no Maraca.

Pois o maracanazo que nunca houve já não havia mais aos três minutos. Três minutos e os iugoslavos já tinham começado a se conformar. Mais tarde tomariam outro já pensando em caipirinha. A Copa acabara. Quinto lugar -bom! E o Brasil por aqueles tempos devia ser o país mais feliz do mundo.

* * *

Split é uma bela cidade portuária na costa da Dalmácia, atual Croácia, que fora devolvida à Iugoslávia pelos italianos derrotados na Segunda Guerra apenas quatro anos antes da Copa de 50. Em Split o Brasil deixou uma marca sem nem saber, fruto direto daquele Maracanã lotado do Brasil 2, Iugoslávia 0 que nos classificou para o Maracanazo.

Um grupo de torcedores do principal clube da cidade – o orgulhoso HNK Hajduk Split, time do General Tito que recusara um lugar na primeira divisão italiana quando sua cidade estava ocupada –, testemunha deslumbrada da derrota para o Brasil no Maracanã, decidiu fundar uma torcida agora que tudo estava calmo e o campeonato nacional voltava a ser disputado. A torcida precisava de um nome. Por quê não... torcida?

Em 28 de outubro de 1950 foi fundada oficialmente a Torcida Split. Assim mesmo: torcida, em servo-croata. Tortchida.

O Hajduk Split já ganhou sete iugoslavões, oito croatões, nove títulos da Copa da Iugoslávia e quatro da Copa da Croácia. Já jogou Copa dos Campeões e foi até as quartas. Revelou Boksic, Jarni, Kranjcar, Tudor e o perna-de-pau australiano Skoko. Quando a Croácia terminou a Copa do Mundo em terceiro lugar na França em 98 – resultado pra botar inveja em quase todo mundo –, 5 titulares eram do Hajduk Split. O clube é além disso uma das principais caras da identidade local dálmata, o único clube a ter torcedores não-croatas na antiga Iugoslávia e o favorito disparado no agora-talvez independente Kosovo.

Mas nada disso deu notoriedade à Torcida Split. Ela andou freqüentando o noticiário foi por causa de episódios de intolerância que chamaram a atenção a uma camiseta polêmica à venda em seu site na internet. A camiseta, usada com brio pelos integrantes da Torcida, traz a inscrição Hajduk Jugend, em óbvia alusão ao grupo paramilitar nazista Hitler Jugend, a “Juventude Hitlerista”. E o chefe da Torcida declarou em meio à poeira levantada pelo escândalo de racismo contra atletas negros que “a Torcida sempre foi direitista”, afirmando também que não era nazista e apenas gostava do desenho da águia.

Tirando o fato de que a Torcida Split é bem chegada em trocar sopapos com a Bad Blue Boys do NK Dinamo Zagreb, a semelhança com as brasileiras acabou ficando só no espírito dos fundadores.

Agradecimentos de novo ao Daniel Schultz, que ouviu da boca de um popular de camiseta da Torcida Split, em Split, que “sim, nossa torcida se chama Torcida”, e “não, eu não sei o que significa”.

2 comentários:

Fernanda Copatti disse...

Fantástico, como sempre! Estou aprendendo sobre futebol da Iogoslávia, é mole!! Hahaha! Pensante na Piauí? Tá devendo uma visita no meu Blog...
Beijos

Zé Pedro Fittipaldi disse...

Fala Fefa!
Já visitei seu blog, tá uma delícia!
Com relação à Piauí, ela que pense em nós... srsrsrsrs!!!
Bj,ZP