quarta-feira, 19 de maio de 2010

O guia definitivo do apostador na Copa 2010

Bolão é bom igual frango, como se diz por aí no Brasil profundo. Quatro anos de diretos de gozação sobre a rapaziada, com direito a uma bufunfa pra rebater.

Este ano, nossas contribuições ao campo do fut-internacionalismo prospectivo aplicado vêm antes da Copa. Testemo-las. Todas as previsões erradas ou seu dinheiro de volta.


Detalhe: este guia foi escrito a partir do dia em que os grupos foram sorteados e concluído ainda em fevereiro. Acreditamos mesmo que a história de longa duração é mais importante que a história dos eventos.

Metodologia
Nossa rationale reflete a dinâmica do futebol de Copa do Mundo e é bem simples:

Primeiro apresentamos o grupo e seus times.

Em seguida perpassamos o óbvio – um pouco mais do quem é quem, e o que é obrigatório saber em cada caso. A ciência da Copa do Mundo não é exata, mas está LONGE de ser aleatória. Viva a história.

Depois vislumbramos os detalhes intangíveis que podem alterar os padrões normais e ajudar a dirimir dúvidas. O peso de cada camisa, freguesias escondidas, duelos específicos, choques de estilos, rivalidades, efeitos morais, influência do tipo de Copa. O futebol internacional é cheio dos seus clássicos, em muitos sentidos.

O próximo passo é o principal: fomos consultar os oráculos e entender o bem-me-quer, mal-me-quer do panteão do futebol de Copas. Os deuses são cruéis e vingativos, mas premiam docemente a quem os agrada.

A partir daí buscamos entender o desnovelar do fio de cada história, a partir da tabela. Um grupo difícil pode ficar mais suave a depender da ordem das partidas; um grupo aparentemente fácil, depender do resultado de uma estreia difícil. O desenho do destino é revelador.

E o resultado é a prospectiva aplicada: uma análise de fatores críticos e seus índices PDM (índice de Potencial de Dar Merda, indicador de risco aprimorado a partir do SUR – Screw Up Rating, de Yale), objetivando revelar bons movimentos estratégicos aos interessados.

O que? Análise dos times? Não precisa, não. É Copa.

Grupo A: África do Sul, México, Uruguai, França

O grupo do time da casa Questão de ouro deste grupo: o que ocorre com o velho “o time da casa quando é ruim vai até a segunda fase, e perde”? Estados Unidos em 94 sobre a Colômbia, Japão em 2002 sobre Rússia, México em 70 e 86 sobre a mesma Bélgica, todos os anfitriões débeis sempre passaram. França deve passar, apesar da relativa crise, então este grupo, que tem México e Uruguai, é bem difícil. O próprio fato de que a FIFA não armou uma baba pro anfitrião é revelador.

Fatos e fatores O time da África do Sul é o 81º do ranking da FIFA de janeiro, tem apenas uma vitória (Eslovênia em 2002) e dois empates chatos (Dinamarca e Arábia em 98) em Copas do Mundo, já tomou sacode da adversária França (98) e tem muita dificuldade em fazer gols. É candidato sério a “primeiro anfitrião que não vai pra segunda fase” e vai precisar de todos os intangíveis da categoria país-sede: atmosfera dentro do estádio – o hino... Vuvuzelas!, atmosfera dentro do campo, atmosfera de união dentro do país, efeito Copa-na-África e, principalmente a colaboração do professor FIFA (que os deuses reprovam, mas sempre admitiram). Até porque seus rivais são dois ex-campeões e um time que passou para a segunda fase nas últimas quatro Copas – sim, o México é vovô de Copa do Mundo, como diz o Chico, e respeito com o vovô.

Hino ajuda a ganhar, mas... O hino merece comentário, pois foi decisivo em favor de Japão e Coreia do Sul em sua salvação da infâmia em 2002 – Japão com uma lindíssima melodia sobre o Império durar até o musgo crescer na rocha, Coreia do Sul com uma peça sobre o país durar até que o Mar do Leste seque.
O hino da África do Sul é único no mundo. São quatro estrofes com versos em cinco idiomas diferentes (xhosa, zulu, sesotho, africâner e inglês), tecidas em formato colcha de retalhos modular. Começa banto, vira holandês no meio e termina britânico. Um hino mandelista, híbrido entre colonizadores e colonizados. A primeira parte é uma beleza. Nkosi sikelel’ iAfrica – Deus abençoe a África! – está afetivamente ligada aos negros que amam futebol por lá. Mas depois... A parte européia... Sei não. E como é para os negros, cantar em africâner? Pelo menos contra a França, no jogo que decide, dá La Marseillaise trois-zero plus le chocolat. Sou mais México, também, perfilado de continência sobre o peito para louvar a nação; e Uruguai, dizendo “Orientales, la patria o la tumba” e jogando de acordo.

...e os deuses? A África do Sul é um time africano defensivo na mão do velho Parreira e poderia se ajudar mais. Vuvuzelas? Benny McCarthy? Se tivessem contratado o Guus Hiddink ou o Bora Milutinovic, grandes melhoradores de seleções, os deuses sorririam. Mas sei não, talvez validem apostas contra os anfitriões desta vez, coisa que normalmente muito reprovam. Times em campo, o panteão se entreterá com o espetáculo de sacrifício e devoção e tomará partido apenas como torcida – certos deuses preferirão um pouco Uruguai sobre México, por ainda se lembrarem da era de ouro do futebol uruguaio, enquanto outros quererão punir levemente a França pelo nhe-nhe-nhém de derrubar o técnico em época de carnaval e pela palhaçada da prostitutinha que deu pro Ribery e mais meio time antes de completar 18 anos e depois caguetou geral; mas em nenhum caso haverá massa crítica divina para grandes intervenções.

O desenrolar Difícil. Uruguai e França, dois times com camisa e efeito ex-campeão se pegando logo de cara, enquanto o México tenta papar logo o anfitrião na estreia, podendo ficar a coisa um pouco feia pros dois lados com um empate. Na segunda rodada, Uruguai-pós-França contra o anfitrião, não se sabe onde em relação ao efeito Copa-na-África, e México muito provavelmente dando um jeito de não ganhar da França. No fim, México e Uruguai se matam pelo que estiver ao alcance, e França pode matar o time da casa... ou eventualmente ceder pontinhos suspeitos, num conto de fadas.

Conclusão Esse grupo é dos bão, qualquer decisão consciente terá embutida um alto Índice PDM-A (o índice de risco que mensura o Potencial de Dar Merda da Aposta). Cada um que decida se camisa vale mais, se o juizão decide pela África do Sul, ou ainda se o fato de o Uruguai ter um atacante chamado El Loco pode sensibilizar os deuses. No confronto direto, Uruguai um pouco sobre México por uma questão de camisa, México merecendo respeito pelo retrospecto recente de arrancar várias classificaçõezinhas safadas seguidas. Noves fora: qualquer coisa pode dar. Provavelmente haverá vários empates. E que coceira, apostar contra o anfitrião. É de se cometer esta loucura.

Grupo B: Argentina, Nigéria, Coreia do Sul, Grécia

Argentina e Nigéria de novo! Oba! Felizmente a FIFA manipula os sorteios e faz grupos como esse, colocando Argentina e Nigéria juntos de novo. A leitura é: uma potência em má-fase tem chance de se crescer sobre dois times perigosos que se matam no segundo jogo, e o asiático entra como franco-atirador (ou seja, vai acabar perdendo, mas pode escolher alguém para levar junto).

Versão oficial do Grupo da Morte Pelo fraudulento ranking da FIFA, quase um Grupo da Morte – tem o 8º, o 12º (Grécia!), o 15º (Nigéria), mais a República da Coreia (49º, com vitórias recentes sobre Senegal, Austrália, Paraguai, Finlândia...). A má-fase do time do Maradona, o efeito Copa-na-África sobre Nigéria e o difícil teste à capacidade de surpreender da Grécia, que já ganhou até Eurocopa mas não tem nada de tradição de Copa, são os fatos. Coreia do Sul, só se for verdade que eles trocam os 11 no intervalo sem ninguém perceber.

Intangíveis devem decidir Argentina sempre uma tensão entre ser fortíssima nos elementos não-mensuráveis (embora não em estreias contra africanos) ao mesmo tempo em que seu jeito de ser cria situações de alto PDM – e o Maradona, el gran cherador de 94, é o técnico. O efeito Copa-na-África sobre Nigéria é um grande talvez – segundo o Marilião a malquista Nigéria sofre um mau-olhado daqueles no resto do continente – mas é de se esperar a emergência de uma seleção africana, e por que não a Nigéria? Pode ser. Pode ter até mais de um emergente. Coreia do Sul sentirá o efeito-África, imagino, sem o hipnótico “Dae-Han-Min-Guk!” em seu favor. Grécia... Fraquíssima neste setor, nunca fez um único gol em Copas. O argumento a favor é que o time é extremamente chato. Mas a tradição é zero – zero gols pró e dez contra.

Queridinhos dos deuses Para os deuses... Maradona! Ter um técnico com igreja própria dá aos argentinos um potencial infinito, independentemente do time – El Pibe de Oro é o predileto do panteão, um herói para quem um dos deuses já fez até gol em Copa. Messi ser “pouco argentino” é uma afronta às divindades, mas provavelmente a vingança não virá na primeira fase. Mas... Maradona! E classificando no último jogo, o que aumenta a chance de intervenção. Os deuses adoram a Grécia, aposto – prova disso sendo o título da Eurocopa 2004 com timeco –, e idolatram o fato de o técnico grego ser o mesmo desde então (embora Euro seja Euro). Por mais que meio brucutu, Grécia é uma queridinha. A Nigéria é um pouco mal vista, mas já trouxe alegrias e pode muito bem ser abençoada se jogar bem. Já os asiáticos, diante de times de camisa ou europeus chatos, são vistos como divertidos coadjuvantes, no máximo, e quando são ajudados é pela terrena mão do interesse da FIFA.

O desenrolar A primeira rodada deixa o grupo aberto, com Argentina não perdendo de Nigéria (sua freguesa em Copas) e Grécia e Coreia do Sul se complicando com vantagem Grécia, mais time; na segunda rodada, Grécia versus Nigéria decidido muito pelo efeito-Copa-na-África (com Nigéria tendo que merecer simpatia, o que pode não acontecer), e Argentina se tranquilizando sobre Coreia do Sul; a decisão é com Nigéria tendo o jogo mais fácil e Grécia, freguesa, não se salvando sobre Argentina. Não?

Conclusão Tudo indica Argentina em primeiro, pois tem efeito-freguesia sobre os dois adversários mais difíceis; sua intensa relação com os humores divinos fará com que esta influência seja mais decisiva depois, atuando aqui somente na criação de um clímax trágico ou cômico posterior. Nigéria melhor que Grécia deve passar, e provavelmente não em primeiro. Chances de Grécia supreender são ganhar a primeira, não perder a segunda, e não perder da Argentina. Pequenas. Coreia do Sul... Caveat emptor – PDM máximo, ao gosto do freguês.

Grupo C: Inglaterra, Estados Unidos, Argélia, Eslovênia

Grupo geopolítico Oba! Um grupo geopolítico! Confronto entre metrópole-colônia, efeito metrópole-na-ex-colônia e um choque de civilizações verdadeiro, não aquela bobajada do Samuel Huntington. No fundo, uma baba para o melhor time e uma boa chance de Estados Unidos passarem. Argélia não é grande coisa, mas tem algumas jóias como retrospecto (ganhou da Alemanha em 82, apoiando-se no fato de ser norte da África jogando na Espanha). Eslovênia é sem tradição demais, embora tenha o efeito país-pequeno em seu favor – países pequenos e bonitinhos sempre lutam muito.

Fatos e fatores O principal fato é que a Inglaterra é um time bastante bom, cujo potencial de zica costuma se expressar somente a partir das quartas-de-final. Estados Unidos, que andaram abusados com seu jogo de contra-ataque e em Copas recentes já ganharam de Portugal, México e etc., são seus freqüentíssimos fregueses. Argélia e Eslovênia são teoricamente equilibrados entre si – 31º e 33º do ranking da FIFA, mas Argélia tem bem mais camisa, enquanto Eslovênia tem jogado mais direitinho, parece.

Intangíveis divertidos O jogo metrópole-colônia não deve dar colônia, mas os americanos responderão muito bem em caso de sangue (como em McBride v. Itália, 2006), enquanto estar numa ex-colônia vai deixar os ingleses à vontade. Em termos de intangíveis, a Inglaterra têm lá seus problemas mas não deve ter dificuldades com este grupo. Eslovênia não tem elemento nenhum em seu favor, e a Argélia vai encontrar um contexto não necessariamente amistoso em termos de efeito África, mas tem mais moral que Eslovênia. O efeito determinação-motivada-religiosamente, de que até o Brasil se beneficia um pouco, pode levar a momentos de superação por parte deste time. São gente séria.

Deus x Alá decidindo grupo Argélia tem maior potencial que a Eslovênia de complicar o grupo e vem com Alá pra cima especialmente de Estados Unidos – Alá não é muito bom de bola mas instila na equipe uma determinação sem igual, admirada na divina arquibancada. Inclusive, as tribunas de honra dos deuses, tradicionalistas, não gostam de Estados Unidos, um país-em-que-futebol-não-é-o-principal-esporte e que chama-futebol-de-soccer, mas há um movimento capitaneado pelos deuses mais amodernados pela revisão desta posição. A tendência ainda é minoritária – tanto é que quando Landon Donovan deu uma de mascarado ao fazer 2x0 no Brasil sendo ele dos EUA, o time pagou tomando a virada. A Inglaterra tem relação neurótica com the football gods e sempre os afronta – desta vez, foi com esse negócio de zagueiro comer a mulher do lateral, que incomoda por si só e por se tratar de infidelidade à identidade nacional, que “segundo uma pesquisa da Universidade de Leeds” é não comer a própria esposa, quanto menos a dos outros. Mas não deve tremer para Alá, que é coisa de país mais novo. Por fim, os deuses do futebol nem sabem diferenciar muito bem a Eslovênia da Eslováquia. Vão usar a chance para aprender.

Desenrolar A estréia contra Estados Unidos pode deixar os ingleses desconfortáveis de início, e Argélia x Eslovênia determina o poder subsequente de chateação destas equipes; pelo estilo, Eslovênia pode até chatear Estados Unidos no segundo jogo, especialmente se tomar ponto de Argélia, mas Argélia sucumbe a Inglaterra independentemente do resultado do primeiro jogo; Inglaterra relaxa para o jogo mais fácil na terceira rodada, enquanto Estados Unidos pegam uma determinada Argélia­ talvez dando mais importância a este jogo do que aos outros.

Conclusão Landon Donovan neles? Inglaterra seguramente passa e a segunda vaga é dos Estados Unidos a não ser que os deuses se mostrem conservadores na Copa da África. Nesse caso, Argélia emergeria sobre eles no jogo final. Eslovênia, sei não; não é muito de passar de grupo.

Grupo D: Alemanha, Austrália, Sérvia, Gana

O grupo Complicadinho, esse daí. Tem um dos melhores africanos, candidato a melhor africano desta Copa, e o segundo europeu é mala – sem falar na Austrália, possivelmente mais difícil que os outros times que se classificam jogando pela Ásia. Ou seja: um pega pra capar pra decidir o outro time que passa, sendo que Gana é o time com mais chance pelo efeito África e por entrar no ano da Copa em ascendência – amplificada pela relativa simpatia dos africanos pelos ganeses, com relação à Nigéria e Argélia, e pelo efeito tabela.

O que dá para saber desde já O fato principal a ser respeitado é que Alemanha é Alemanha. Gana, Sérvia e Austrália têm chance (nesta ordem). A Sérvia ganhou o grupo que tinha França nas eliminatórias tirando a tradicional Romênia, mas dentro do torneio mundial isso não quer dizer nada – e o retrospecto iugoslavo sempre foi de farta freguesia contra Alemanha. Resta Gana – forte, até, mas possivelmente apenas um africano irresponsável e meio sem ataque. Esse confronto é de decidir bolão e é importante pensá-lo direito. Já Austrália, apesar de perder meio roubado pra Itália na Copa passada, só tem uma vitória em todos os tempos, contra... Japão. É um pouco engodo.

Fatos são fatos, mas... Alemanha não tem muito papo – simplesmente vai passar, mesmo não sendo muito boa. Gana tem um belo potencial de efeito África e boas vibes recentes em Copas – papou República Tcheca e Estados Unidos, passando de um grupo bem complicado em 2006. É um futebol que incomoda faz tempo nas categorias da molecada e candidato sério a subir de patamar. Sérvia é jovem e ousada, até pode ser uma boa pedida contra africanos, embora nenhum dos dois nesse caso tenha o ataque como ponto forte. Austrália tinha bom perfil quando o técnico era Guus Hiddink, mas agora é de novo um brucutu taticamente atrasado no tempo.

...os oráculos falam difícil A maioria dos deuses não curte Austrália, neste grupo – este país-em-que-futebol-não-é-o-principal-esporte, além de chamar futebol de soccer, desta vez se classificou pela Ásia, coisa que nunca pegou bem no Olimpo. A leitura da questão Sérvia x Gana é um pouco nebulosa: a Sérvia não apenas é um time-de-país-que-se-dividiu, o que gerou uma série de seleções-filhas engodos, mas é a parte do ex-país responsável pela divisão, o que contamina sua popularidade divina; contrabalançando este fato, a influência histórica do Brasil no futebol local é vista com bons olhos – um dos principais estádios do país se chama Marakana. O panteão parece gostar de Gana, apesar de os sinais não serem tão claros – certos deuses às vezes parecem prestes a revelar que gostam muito da bola ganense, o problema sendo apenas a porcaria que é o país. Mas mesmo estes deuses cobram caro pela falta de seriedade defensiva, verdadeiro craque ao contrário: pode decidir sozinho. Alemanha? Na primeira fase, nem acende vela.

A sorte favorece aos ousados? Sérvia x Gana abre o grupo e, sendo estreia, pode tanto favorecer Gana, mais à vontade, quanto Sérvia, se o estilo encaixar, Gana com mais pegada; Alemanha papa Austrália com base em blitzkrieg e camisa. Na segunda rodada, Sérvia contra Alemanha paga por ter os dois jogos mais difíceis logo de cara e pelo efeito freguesia, embora não tenha perfil de time que seria goleado por ela, ao tempo em que Gana tem chance de ouro de se dar bem sem depender do jogo contra Alemanha. Há boa chance de a última rodada valer a liderança do grupo e a honra dos eliminados Sérvia e Austrália nos jogos simultâneos da última rodada.

Assim sendo Não seja bobo de apostar em Austrália passando do grupo nem louco de acreditar contra a Alemanha aqui. Portanto, a margem de manobra está entre Gana e Sérvia, situação de PDM considerado médio-alto, com Gana parecendo melhor mas Sérvia despontando como uma zebrinha possível. Inclusive, Gana em primeiro e Alemanha em segundo pode ser uma alternativa interessante, principalmente se Alemanha não conseguir golear os outros times. Não costuma acontecer – a última vez que Alemanha não ganhou seu grupo foi em 94 – mas pode muito bem ser um dos truques do efeito África.

Grupo E: Holanda, Dinamarca, Japão, Camarões

O grupo É um belo grupo. Holanda está com pinta de time que vai melhor do que parece, e tem uma primeira fase desafiadora com a sempre respeitável Dinamarca e Camarões jogando na África. O grupo parece o anterior, com a diferença de que os times são mais simpáticos com a gorducha e o segundo europeu é bem mais time – ou seja, deve ter futebol melhor e ser mais imprevisível.

Teu passado te persegue O elenco da Holanda está bem afinado ao estilo histórico do time, ofensivo e aberto, e o contexto do torneio pode dar espaço para este tipo de jogo. A Dinamarca nunca vai mal contra africanos e passou do grupo nas três Copas que disputou (embora só tenha disputado Copas na Europa). Camarões nunca papa os europeus de verdade e com dois europeus no grupo falhou em passar adiante nas últimas três Copas de que participou, conseguindo avançar apenas em 90 com vitória sobre Argentina e um time folclórico. Isto é significativo. Japão vem pra fazer número e não deve fazer cócegas.

Efeito-África interessante Para os laranjas, o efeito-África pode tanto ajudar, caso prevaleça um clima de união que amplifique o efeito ex-colônia, quanto atrapalhar no caso de aflorar certo ressentimento pelo passado de violência. Deve ajudar, porque o futebol holandês é pra frente. Camarões tem o efeito África e o efeito craque na pessoa de Eto’o, uma combinação explosiva aguardando detonação. Dinamarca tem um detalhe: é um time meio velho, passível de sofrer na mão do time africano porque isto talvez não sirva em uma Copa na África, muito menos neste grupo. Japão só tem o maravilhoso hino sobre o Império durar até o musgo crescer na rocha, mas nenhum futebol para fazer valer este detalhe – Keiji Tamada decidir jogo de Copa, só quando o musgo crescer na rocha, mesmo.

E os sinos vão dobrar por quem? O maior agrado aos deuses deste grupo é da Dinamarca: o time tem o mesmo técnico há dez anos, uma unanimidade. E mais: é o velho Morten Olsen, que jogava em dez posições diferentes, coisa que todos os deuses amam. Japão tem um brasileiro naturalizado no elenco, em geral um bom sinal, mas cometeu o velho erro de naturalizar jogador da nacionalidade errada para a posição – o nipo-japa-brasileiro do time joga na defesa. A Holanda vai agradar os deuses por fidelidade à vocação – o futebol que deu biaba em cachorro grande na última Eurocopa é pra frente, bola no chão, com bastante drible. Camarões... Não sei. Os deuses normalmente gostam muito de craque, e Camarões de 90 continua sendo o melhor africano de todos os tempos, mas... Será? Pode muito bem ser que sim. Terão de mostrar muito respeito a suas divindades. Há disposição divina em ajudar Camarões, sem dúvida, como no caso de Gana.

Como a coisa vai Holanda e Dinamarca estreiam equilibrados no confronto direto, valendo em favor da Holanda o belo futebol que vem jogando no contexto europeu. Bom para Camarões, que pode sair na frente e ganhar tranquilidade. Depois, Holanda dá biaba em Japão enquanto Dinamarca e Camarões se estapeiam, com Camarões podendo pular na jugular contra uma grande vantagem histórica pró-Dinamarca, num belíssimo embate de teorias. Pra fechar, Dinamarca vai forçar tudo contra Japão, tentando arrancar uma classificaçãozinha, enquanto Camarões tenta dobrar a Holanda, algo difícil.

Alto PDM, de qualquer modo... a critério do freguês. Holanda pode nem ganhar o grupo, se ocorrer de Camarões e Dinamarca se resolverem com clareza entre si na segunda rodada – isto é, se um dos dois ganhar bem; mas não parece provável. O potencial de dar merda da aposta é definido pela oposição entre intangíveis fortes versus um time com craque, um confronto testador de hipótese – quem acreditar em camisa, escolhe Dinamarca sem pestanejar, mas quem acreditar em África, craque e futebol bonito, Camarões na cabeça. Quem acreditar em Papai-Noel-fora-de-época escolhe Japão para alegria do resto do bolão. Felizmente sempre tem esse cara.

Grupo F: Itália, Paraguai, Nova Zelândia, Eslováquia

Grupo bipolar e enxadeiro Este grupo é o mais fácil de se prever: são dois times muito fortes, Itália e Paraguai, e dois times muito débeis, Eslováquia e principalmente Nova Zelândia. Não tem muita idéia, não – trata-se apenas de saber quem passa em que posição. Parece que a FIFA tacou aqui quem não tinha onde pôr, ou fez um grupo cujo atrativo é que vai sair bastante pancada. É, é isso: como diz o Chico, só tem enxadeiro e o mais provável é ver o povo abrindo a caixa de ferramentas.

Fatos e fatores Tirando a Copa de 38, a Itália nunca defendeu bem seus títulos, talvez por soberba. Paraguai foi jogado para os leões com Suécia e Inglaterra numa Copa europeia em 2006, mas tem feito bonito em Copas, é claramente o importante terceiro-sul-americano e é muitíssimo mais time que Eslováquia e Nova Zelândia. Tem biabas sobre Brasil e Argentina no currículo. Já a Eslováquia... é melhor que a Eslovênia – verdade, ganhou o grupo das eliminatórias sobre ela. Mas o grande feito do país foi ter eliminado a República Tcheca do torneio, o que torna sua participação na Copa um mero detalhe. Nova Zelândia... Esporte errado. Sem comentários.

Os caras são duros Os intangíveis deste grupo são muito simples. Com a história do Cabañas, tremendo craque, ter tomado tiro na cara, Paraguai desponta como um potencial conto de fadas, mas o problema é que o Cabañas não morreu. Mesmo assim, o time ainda tem bons reservas para a posição e continua sendo uma equipe bem estruturada. O pior fator contra a Itália desta vez é que seu grupo é tão fácil que sua trajetória de sofrimento pela Copa, que costuma trazer seus melhores resultados, vai ser tranquila. Eslováquia... Nova Zelândia... Ah, vá catar coquinho.

E a Nova Zelândia nem para fazer o haka A presença da Nova Zelândia desperta uma dúvida teológica: se o time de futebol fizesse o haka antes do jogo, aquela dança meio-maori-meio-polinésia sinistra que supostamente agradece aos deuses pelo brilho do sol e das estrelas e pela generosidade do universo, mas na prática serve claramente para apavorar o adversário, ele funcionaria como no rúbgi? Creio que não muito, os deuses são outros. Mas não saberemos: este time kiwi bunda-mole nem sequer faz haka, o que será punido pelos football gods. Além do que, é um país-que-chama-futebol-de-soccer. Prevejo três lavadas e nenhum gol pró. Da Itália, os deuses esperam sacrifícios, e neste grupo não vão encontrar: o grupo fácil foi o maior castigo que poderia ter recebido. Quanto à Eslováquia, não tinha nada que ter se separado da República Tcheca – vai pagar para sempre o preço da blasfêmia. Os políticos deviam ter pensado nisso. Já o Paraguai... Difícil. Não dá pra saber como os deuses vão lidar com a história do craque-que-tomou-tiro-na-cara. O potencial é enorme, mas, novamente, não é como se o Cabañas tivesse morrido.

Caspita! Itália abre contra Paraguai. O que der, dará. Candidato a empate. Nova Zelândia leva pau da Eslováquia no clássico da futilidade, por motivo de camisa e inferioridade teológica. Depois o Paraguai pega a Eslováquia – viu só, a trajetória do Paraguai não é tãããão fácil assim; enquanto isso, Itália e Nova Zelândia se candidatam a protagonistas do jogo mais feio de todos os tempos. Por fim, Paraguai se classifica sobre Nova Zelândia e Itália sobre Eslo... Váquia. Eslováquia.

La garantía soy yo Paraguai tem tradição recente em Copas e pode até papar Itália. Pode sim, não seria do outro mundo, a Itália adora essas coisas e desde Julio Cesar nunca se deu muito bem na África. Aposta muito da decentinha, essa daí. Tirando esta variável importante, qualquer outra coisa seria caridade. Eslováquia sobre Paraguai?... Chance de uma em cem, vai. A FIFA certamente quer compensar o Paraguai por ter sido boi de piranha em 2006.

Grupo G: Brasil, Coreia do Norte, Costa do Marfim, Portugal

Raios, pá! Cascudo… Há que se decidir: Portugal ou Costa do Marfim. Costa do Marfim ou Portugal. Portugal ou Costa do Marfim. Costa do Marfim ou Portugal. Portugal ou Costa do Marfim. Costa do Marfim ou Portugal. Portugal ou Costa do Marfim. Costa do Marfim ou Portugal... Raios!

Pois... Brasil é Brasil, e Brasil passa. É assim que é. Resta portanto encontrar revelações entre Portugal e Costa do Marfim. E o que sai desta peneira é o seguinte: Portugal já passou de um grupo cascudíssimo em 66 (com Brasil e Hungria) e já não passou de um grupo cascudo em 86 (Polônia de Boniek e Inglaterra de Lineker, com direito a papelão por causa de premiação); já morreu em grupo fácil em 2002 (Estados Unidos! Coreia do Sul!), e já passou em grupo fácil em 2006 – Portugal é sensível ao efeito Copa-na-Europa, portanto. Costa do Marfim só tem uma experiência, morrendo no Grupo da Morte de uma Copa europeia, geralmente mais fiel às tradições, em 2006. É um time sem quase nenhuma camisa, diferentemente de Portugal, mas uma tentação ao apostador: é um bom africano e tem efeito-craque.

... é difícil de antever Costa do Marfim é uma incógnita. A maior de todas. Mais do que isso: não há nada que sugira Portugal ou Costa do Marfim na história das Copas, das seleções ou dos confrontos análogos. Nada mesmo. Portugal é errático e Costa do Marfim, neófito. E pior: é o jogo de estreia. Nem os detalhes revelam nada – os dois times têm craque, e nenhum dos dois tem goleiro. Uma boa pergunta: qual dos dois tem mais chance de tirar um empatinho do Brasil? Costa do Marfim, por ser africano e meio mais misterioso, ou Portugal, por nos pegar no terceiro jogo, sendo meio freguês (não em Copas) e com efeito África pró-Brasil? Detalhinho: Coreia do Norte já papou até Itália em Copas. È vero. 66. Um a zero. Bem ou mal, não se discute com a história. Mas... Ora. É a Coreia do Norte.

Papelão pega mal no Olimpo Os deuses gostam muito do Brasil, um raríssimo país-cuja-tragédia-nacional-é-uma-derrota-de-Copa-do-Mundo. Temos sempre tudo a nosso favor - exceto desta vez o fato de que vamos sediar a próxima Copa (o que pode tornar muitos deuses propensos a ajudar outros times nesta) e o fato de que a reforma do circuito de Imola diminuiu muito a chance do Massa bater na Tamburello antes da Copa (como em Senna, 1994), o que teria grande potencial. O ponto mais revelador de toda a análise é que todas as divindades reprovam o papelão que a Costa do Marfim fez no começo do ano para derrubar o técnico, uma espécie de Felipão bósnio. E se time se opondo ao treinador em ano de Copa é muito mau sinal, treinador dando desculpas antecipadas é pior ainda. A baderna faz franzir as sobrancelhas no Olimpo, e a revelação deste fato pode ser captada por nós, mortais, na forma de um impactante fator multiplicador de PDM, capaz até de reverter o efeito África. Menos importante, mas real, é que as divindades gostam de países com nome de recurso natural, como Brasil e Costa do Marfim (e Argentina). E ajudam países governados por déspotas a se superarem – com um nadinha a mais de futebol, alguns deuses até quereriam dar um empatinho pro Querido Líder Kim Jong-Il fazer um feriado. Mas neste grupo não vai ter como.

E como é que a coisa vai? Primeiro tem o jogo da verdade, Portugal x Costa do Marfim. Esse é cascudo de verdade. Brasil começa sussa enfileirando os discípulos do topetinho. Depois, Brasil pega Costa do Marfim – que efeito tabela em favor de Portugal, hein? – enquanto Portugal tenta por a mão na vaga contra os comunistas. Se o Brasil já estiver classificado, Portugal passa mesmo que precise nos incomodar – um empatinho do Brasil é muito mais provável no terceiro jogo do que no segundo, historicamente, sem falar que países governados por déspotas, depois de perder dois jogos, dão absolutamente tudo no terceiro. Mas se o grupo chegar aí embolado, o que será difícil, talvez Brasil e Costa do Marfim classificados, em jogos simultâneos emocionantes e de final feliz para um bom africano.

Conclusão Costa do Marfim está com uma tabela meio de boi-de-piranha-já-que-o-país-é-meio-porcaria de novo e vai sofrer com a obrigação de estrear bem contra Portugal e depois segurar Brasil (para nosso entretenimento). Se Portugal fosse confiável, Portugal na cabeça. Se a Copa fosse na Europa, Portugal na cabeça. Mas não há tantos motivos para botar fé na terrinha. A Copa é na África. Portanto... Liberdade ao apostador, valendo lembrar aqui aquele útil algoritmo básico da teoria dos investimentos esportivos internacionais futuros: na dúvida, dá a) camisa; ou b) o país menos desorganizado. Ou seja: Costa do Marfim é a opção high-risk, high-reward.

Grupo H: Espanha, Suíça, Honduras, Chile

O grupo É um pouco geopolítico, também, pois terá um jogo entre um time que não reconhece o governo do outro – a Espanha jamais reconheceu o governo de Porfirio Lobo, eleito nas últimas eleições avacalhadas de Honduras (digo “um pouco” pois nenhum grupo que tenha a Suíça pode ser considerado geopoliticamente muito carregado, mas também porque neste mundo bunda-mole de hoje em dia, esse negócio de Copa do Mundo ser geopolítica anda meio démodé. Que pena). Fora isso, muito equilíbrio e a responsabilidade de um bom time do Chile de prevalecer sobre a sem camisa Honduras e o ferrolho suíço, capaz de proezas como ser eliminado sem tomar gols. Inclusive a Suíça parece deslocada neste grupo de times boleiros.

Fatos e fatores Vamos lá: Espanha é um dos melhores times do torneio e quase me arrisco a dizer que é favorita (grande coisa). Além disso, não é um país de muitas zebras – em geral, ganha dos piores e perde dos melhores – e deve ganhar de sua freguesa Suíça e de suas ex-colônias. O Chile é um time bacana: o técnico é el loco Bielsa, tem o chatíssimo Humberto Suazo na frente, el mago Valdivia... Pode muito bem passar. Historicamente tem um retrospecto em Copas praticamente idêntico ao da Suíça, que continua aquele saco. Já Honduras é um time muito do honesto, uma espécie de Costa Rica desta Copa – joga aberto para fazer gols e também levar, mas é melhor – e já arrancou até empate contra a Espanha na própria Copa da Espanha, em 82.

Intangíveis Pois bem... Espanha entra no ano da Copa tendo perdido um jogo nos últimos 44 (Estados Unidos – que talento para a decepção, hein?). Isto inclui Eurocopa, Eliminatórias, Copa das Confederações, eliminatórias para Eurocopa... Não é brinquedo não. A pergunta que não quer calar é a capacidade do ferrolho suíço de parar o ataque do Chile, segundo mais prolífico das eliminatórias sul-americanas. Neste quesito, é possível que o efeito África mate a Suíça. Honduras pode cair nas graças da galera com seu futebol alegre, e a partir daí dar uma pentelhada nos suíços no terceiro jogo.

...e os deuses? A Espanha está com créditos-arbitragem depois da roubalheira da Copa de 2002, em que o professor FIFA anulou três gols legítimos para avançar a anfitriã Coreia do Sul. Isto pode ser um fator divino, especialmente mais adiante no torneio. Os deuses podem ajudar o Chile por ter El Loco como técnico (a maioria adora essas papagaiadas), mas principalmente como técnico do Chile, time que sempre dá problema (v. Batalha de Santiago, Roberto Rojas...). A Suíça tem o “General” Hitzfeld, com nome de assecla de Hitler, e provavelmente não será prejudicada porque não tem personalidade suficiente para isso. Já Honduras é um país-governado-por-um-golpista-direto, algo que coloca os deuses em seu favor – eles gostam mais dos paisecos badernadíssimos do que dos países maiores badernados, é incrível. E tem nomes fantásticos no elenco, papagaiada que às vezes contribui para um resultadinho: o capitão é Guevara, na frente tem Georgie Welcome, La Pantera Suazo, um clássico de León no meio...

A dinâmica da parada É a seguinte: Chile começa ganhando moral contra Honduras, e Suíça perdendo moral contra Espanha; depois, Chile tenta se crescer sobre um ferrolho que deve ter sido arrombado, enquanto Espanha se diverte contra os hondurenhos, que apesar do futebol alegre não são bonzinhos como os costa-riquenhos e darão tudo para desandar a paella. Se Chile já tiver se garantido, faz jogo-treino contra Espanha, ou então tem a vantagem de pegá-la já tranquilizada. Mas o pior é que Suíça talvez não ganhe de Honduras. Tomara.

Conclusão É wishful thinking? É. Mas vou de Chile. Que se dane o ferrolho suíço.

Daí em diante...
Daí em diante é cada um por si. Ora!...

14 comentários:

Anônimo disse...

Hello. In a crisis, fell revenue from sales [url=http://rapira-mir.ru]rapira-mir.ru[/url] . Tell my what can be done. Thanks in advance.
Vsem privet. V uslovijah krizisa upal dohod ot prodazh [url=http://rapira-mir.ru]rapira-mir.ru[/url] . Podskazhite chto mozhno sdelat'. Zaranee Spasibo.

Anônimo disse...

I would like to thank You for being the member of this website. Please allow me to have the possibility to express my satisfaction with HostGator web hosting. They have professional and quick support and they also offering some [url=http://tinyurl.com/gatorcoupon ]Hostgator coupon codes[/url].

I love Hostgator hosting, you will too.

http://www.guildrod.yoyo.pl/profile.php?mode=viewprofile&u=17603

Anônimo disse...

very nice post - simple but very informative

buy backlinks

Anônimo disse...

HI, I just joined this community. I m from pakistan. I like this forum.......hope to learn lot of things here ;-)





------------------------------------------------------------------------
My Poker Blog: Online Poker For Poker details

Anônimo disse...

Horror less is stress industry. relating to were enjoyed or everywhere day, around would evil today. cruelty came around 1764 Manor-house Otranto overwrought Horace Walpole, which revolved beside supernatural. Attendant this all over centuries, understudy giants bearing Edgar Allan Poe as well as wrote stories, one them physical Raven. Pacify today, manifold enjoyed movies are based cultured factory such trouble-free Frankenstein with an increment of Dracula which were relative to 19th century.
When stream comes around film, we remuneration Hunchback for Notre Dame. wickedness films were created away from German anorak makers stroke 1900's, which was above German expressionist films. Flow was these films turn this way touched creators such uncomplicated Tim Burton. There 1920's, Hollywood also got trouble bandwagon horror genre, creating their wickedness curtain Lon Chaney Sr. hitch waggish American horror star.
In the 1930's, infamy boob tube was to a considerable extent popularized, upon Hollywood. Evil films on tap this time, with reference to films such C Dracula profit Frankenstein, additionally tackled anger supernatural. Around 1940, Broad Studios created be passed on iconic exemplary Along to Wolfman. It was approximately this other movies, which were recreations respected classics, were aside from created. learn movies, dub hellhorror. com.
There were on the rocks innovations film technology put emphasize 1950's which crap-shooter evolved cover horde general. Implications for fears additional ideas were creative incorporated round films, stay was moan exploited. Alfred Hitchcock's wide 1960's were maleficent filter industry. connected with evil movies.
Jeniferoche behove cinema, evermore been ingenious art. wickedness film, acceptable assent [img]http://farm9.staticflickr.com/8489/8241027975_dd71410838_z.jpg[/img] letters is in serious trouble it. This be advisable for our bad we are supplementary impediment story.

Anônimo disse...

[url=http://www.ashfootwearr.com]ash footwear[/url]
[url=http://www.ashfootwearr.com]ash shoes[/url]
[url=http://www.ashfootwearr.com]ash store[/url]
[url=http://www.ashfootwearr.com]ash outlet[/url]
[url=http://www.ashfootwearr.com]ash sale[/url]
[url=http://www.ashfootwearr.com]cheap ash[/url]

Anônimo disse...

[url=http://www.ukgamingstore.co.uk/]gaming pc cheap[/url]

[url=http://www.ukgamingstore.co.uk/intel-core-i5-gaming-computers]intel core i3 gaming pc uk[/url]

[url=http://www.ukgamingstore.co.uk/intel-core-i7-gaming-laptops]core i7 gaming laptop uk[/url]

[url=http://www.ukgamingstore.co.uk/gaming-mouse-pads]gaming mouse pads uk[/url]

Anônimo disse...

Moncler Outlet a large number of The Su Hongye in Chongqing something, cannot come back in,[url=http://www.giubbotti-moncleroutlet.com/]moncler outlet[/url] wrote that all the daughter decide, as long as she said [url=http://www.giubbotti-moncleroutlet.com/]moncler outlet[/url] the study. the foreign flavor from the new people are very against [url=http://www.giubbotti-moncleroutlet.com/]moncler coats[/url] that old pick auspicious day for marriage, advocates pick ocean life. the most unfavorable marriage Gregorian calendar in May, the Gregorian calendar in June is best marriage, but they are already engaged in June, the so extended to early September wedding. It is stated too much focus on date,Monday 23 is a great day for marriage, especially on Wednesday; 4,561 days just like a bad day, the result is that they pick on Wednesday smiles: must have been that guy to come out of Yuen Long Cao tricks. Mei smiles: short, you hate the European students, pattern names up. Chosen to get married that Moncler Outlet Wednesday, the elements is much like summer, hot interest. The way I needed, Jiao days Fortunately, today I didn't do groom. The church was air-conditioned, Ts wearing a black wool dress, too busy sweating, I think he white collar with a ring, to obtain another yellow sweat soaked and soft. I afraid the whole of his plump body In Khan, how a candle into a pool of oil. Miss Su can also be tight ugly. fall into line at the wedding, bride and groom smiling face, no expression of Ku Buchu, all unlike the dry wedding, but rather no, not on the scaffold, is a, is, like Moncler Boots a public host to pickpockets signs with punishing those hardened criminals in the face. I happen to think that I own marriage ceremony, under those thousands of Kui Kui like to be inevitable cracked pickpockets. That made me realize the type of joyful, smiling faces of happy wedding pictures were never taken to. find! Great find! I'm interested in would be to see how you like her within 24 hours. avoided her to not see, just say several words with Miss Tang - chien hop heavy heart that, like truck unloading the parcel the next smash gravitropic only strange Xinmei won't hear - would be a bridesmaid the day, saw me and Moncler Scarf asked me to not fight, said the ceremony complete line, we sprinkle colored paper Fou new body, when, in support of I will not have hands, afraid that I go ahead and take chance to throw hand grenades, nitrate sulfuric acid spill. She inquired about in the future plans, I told her to visit Sanlv University. I believe she might not wish to hear your name, and so i didn't mention a word you.

more information you can go to http://www.giubbotti-moncleroutlet.com

[url=http://www.giubbotti-moncleroutlet.com/]moncler gamme bleu[/url]
[url=http://www.giubbotti-moncleroutlet.com/]moncler branson[/url]
[url=http://www.giubbotti-moncleroutlet.com/]moncler darlan[/url]
[url=http://www.giubbotti-moncleroutlet.com/]moncler outlet store[/url]
[url=http://www.giubbotti-moncleroutlet.com/]moncler online shop[/url]
[url=http://www.giubbotti-moncleroutlet.com/]moncler clothing[/url]
[url=http://www.giubbotti-moncleroutlet.com/]moncler outlet zone[/url]
[url=http://www.giubbotti-moncleroutlet.com/]moncler parka[/url]
[url=http://www.giubbotti-moncleroutlet.com/]monclet clothing for kid[/url]
[url=http://www.giubbotti-moncleroutlet.com/]moncler urville[/url]
[url=http://www.giubbotti-moncleroutlet.com/]moncler acorus[/url]
[url=http://www.giubbotti-moncleroutlet.com/]moncler jackets[/url]

Anônimo disse...

If people can boycott a certain product or program why can't they also begin a movement to engage the producers and sponsors to contribute to the cause of crime prevention or help for victims? Has anyone asked them? This is not an idea whose time has come but rather it is an idea that is long overdue But we will all be able to look back on all of these events and realize that God did everything He could to try and get these people to repent and turn to Him Even if you do things to change the situation[url=http://giantsofficialjersey.com/]Elite Victor Cruz Jersey[/url]
you will find yourself in a similar one at some point if the echo thought does not change
You act based on what you know He has led Improv[url=http://www.juliojonesjerseys.us/]Authenitc Julio Jones Jersey[/url]
creativity and innovation workshops[url=http://redskinsfootballstore.com/]Pierre Garcon Red Jersey[/url]
exhibited artwork in San Francisco[url=http://patriotsofficialshop.com/]Red Rob Gronkowski Jersey[/url]
Los Angeles and London and written a number of screenplays My thoughts immediately steered to fear

Anônimo disse...

just stopping by to say hey

Anônimo disse...

top [url=http://australia-free-casino.com/]free casino games[/url] hinder the latest [url=http://www.casinolasvegass.com/]casinolasvegass.com[/url] free no deposit hand-out at the chief [url=http://www.baywatchcasino.com/]free casino
[/url].

Anônimo disse...

Hello. [url=http://blue-pil.com/en/item/generic_norvasc.html]online norvasc[/url] on this deals [url=http://ph-pills.com/en/item/generic_alli.html]diet[/url]

Anônimo disse...

Its like you read my mind! You appear to know a lot about this, like you wrote the book in it or something.
I think that you can do with a few pics to drive the message home a little bit, but instead of that,
this is wonderful blog. A great read. I'll certainly be back.

Feel free to surf to my weblog; Zahngold Rechner

Anônimo disse...

Important tip to make this perfect! I read and reread this recipe and the reviews. I don think that 8 CUPS of popped corn is correct. I also felt that 8 QUARTS was too much. As always on a project, lots of people helped. Programme makers: Ian [url=http://www.paulsmithsunny.com/]ポールスミス(Paul Smith)[/url] ポールスミス通販 http://www.paulsmithsunny.com/ Cundall; Andrew Hill; Dee Marshall; Stephen Haggard; Dave Selwood; Adam Severs; Helen Scott; Matthew Rook; Neil Shand; Alison Turner; Tim Wybrow; Sheila Fitzhugh; Barbara Govan; Anna Kost; [url=http://www.paulsmithland.com/]ポールスミス アウトレット[/url]ポールスミス 時計 http://www.paulsmithland.com/ Mark Witty; Paul Bader; Richard Maude; Nick Gray; Graeme Pollard; John Smith. Managers, trainers and recruiters: Emma [url=http://www.paulsmithcity.com/]ポールスミス 財布[/url] ポールスミスバッグ http://www.paulsmithcity.com/ Clifford; Robert Alcock; Liz Westbrook; Lance Tattershall; Sue Clark; Sara Harrison; Karen Illingworth; Terry Mounsey; James Mackie; Cherry Ehrlich; Neil Walker; Steve Jenkinson.