quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Torcedor é Isso

* Por Hermano Penna

Para quem me julga só vascaíno, sapeco na cara e provo. Não esperei, como certos que conheço, amigos almofadinhas para torcer. Com essa filosofia foi que me incorporei ao bando de Boca de Sapo, na gloriosa jornada do dia 13 de outubro de 1977.

E foi com Boca e sua turma que atravessei a noite e afrontamos a madrugada e o início do dia seguinte. Fomos os últimos no quadrilátero que vai de Pinheiros até a Mooca. Enfrentamos a polícia, paus e pedras de sãopaulinos, santistas e palmeirenses. Queimamos bandeiras inimigas. Nossa Jihad não encontrou forças para ser detida. Caveira, o ordenança de Boca de Sapo, bom de cachaça e de porrada, segurava todas. Caveira é aquele que está de cabeça pra baixo, numa das fotos.

Encontrei a distinta turma no Largo da Batata, no bar da Gia Quente, do finado Rodarte. O começo não foi fácil. Afinal, eu só tinha tomado umas quatro lapadas de Biter Russo, uns cinco Rabos de Galo, uma tantas cervejas, e umas oito Branquinhas ditas lá das bandas de Piracicaba.Tava pronto para enfrentar qualquer exército inimigo e comemorar a vitória do Timão.

Mas, Boca de Sapo no começo ficou arredio. Branco no samba, sabe como é. Mas, Raimundo Mãe do Cão foi com minha cara, alíás não sei se com minha cara ou com meu bolso farto e generoso. O fato é que as desconfianças não resistiram por muito tempo e logo todos nós estávamos a subir a Teodoro Sampaio. Uma gloriosa campanha. Inesquecível epopéia de ardor pelo Timão, porradas e malvadezas.

Logo de cara fechamos o Bar de Manuel Chupeta, aquele da Teodoro com Lacerda Franco, o infeliz era torcedor da Ponte Preta. Só ameaçamos quebrar o balcão. Logo depois, perseguimos uns quatro sãopaulinos e insultamos as mães de uns palmeirenses. Vou logo ao inventário: quarenta e duas mães xingadas. Vinte sãopaulinos escorraçados. Cinco cachorros apedrejados, dois com graves lesões nos rabos. Três gatos gravemente feridos e mais dois com leves escoriações. Três bares fechados. Algumas lâmpadas quebradas.


Vinte e duas bandeiras de times inimigos queimadas. Agressões variadas á lixeiras bueiros e barracas. Cento e duas cervejas tomadas. Oito garrafas de cachaça. Cinco de vodka e três de cinzano. Muita cantoria e confraternização. Curtimos a festa da Paulista e ainda subimos e descemos a Rebouças umas quatro vezes, a Paulista umas três, isso depois de todo mundo ter ido embora. Tudo era alegria, até aparecer uma viatura da polícia e eu me escafeder pela Peixoto Gomide.

Por último, vejam o despacho para abrir os caminhos do Timão, realizado no domingo anterior ao grande jogo, dedicado ao Senhor das Sete Encruzilhadas e feito na Praia Grande, por mim e o companheiro Inácio Cú Fino. Pois é, se alguém ainda repetir a blasfêmia de que não sou corintiano, vou chamar Boca de Sapo e sua turma pra uma certa conversinha, tenho dito.

* O precioso relato, escrito pelo amigo Hermano Penna, é a prova que de louco, todo mundo tem um pouco.

9 comentários:

Raul Zito disse...

to vendo que essa massa aí eram uns comunistas embrenhados no meio dos corinthianos....só codenome de guerrilheiro.... só devedor....só atirador de sapato!....

mto bom!! abs,

Anônimo disse...

o detalhe é que o chamado tático móvel, o veículo que aborda o bando de boca de sapo enquanto hermano de escafedia no pulo do gato, acabou por prender uns arruaceiros do caveira. Não vou afirmar que isso é verdade porque se não eu me lasco, mas dizem que quando o bicho pegou, hermano jogou fora sua bandeira, saiu em debandada pela a peixoto gomide e por sinal ainda gritava vaaaasco, vaaaasco...

Anônimo disse...

que será que um cara tem que fazer pra pegar o apelido de "cu fino"?

Kim disse...

Deprimente este relato.
Será que o despacho foi o feitiço da segundona? ou os 23 anos sem títulos?

Tiago Marconi disse...

O texto é ótimo e as fotos, para dizer o mínimo, históricas. Se representantes, para dizer o mínimo, histéricos, de determinadas torcidas preferem cegar-se com o brilho muitas vezes ilusório de tudo o que reluz (e às vezes só reluz mais porque é mais novo) e ficar contando um isso, dois disso, só posso lamentar. Talvez você se divirta mais no IFFHS, algo assim...

Valeu, Hermano! Chama o Caveira pra dar um jeito no Kim!

Filipe disse...

Ou talvez, kim, os despachos sejam só para que hajam sempre anticorintianos.
Sem eles não tem graça - e toda unanimidade é burra.
Como ser Corinthiano é um dom, eis que os despachos se fazem necessários, para manter a inveja em seu devido lugar.

Lindo relato.

Zé Pedro Fittipaldi disse...

deixa eu registrar aqui, pra não faltar: animal!

e kim: se fecha, bambi! kkkk!

Anônimo disse...

licence renovated celltech footnote entertain modest reviewonline listinfo interprets tsismanmeb vijay
semelokertes marchimundui

Anônimo disse...

top [url=http://www.001casino.com/]001casino.com[/url] coincide the latest [url=http://www.realcazinoz.com/]casino[/url] autonomous no store hand-out at the leading [url=http://www.baywatchcasino.com/]casino
[/url].