segunda-feira, 23 de junho de 2008

Uma breve história não-eurocêntrica do futebol

por Tiago Marconi
(quase todo o photoshop: Caio Polesi)


O texto do companheiro de zaga Chico Garcia, publicado no início de maio, ao contrário do que o número de comentários pode dar a imaginar, teve enorme repercussão no meio acadêmico. Como era minha vez de escrever e andei muito ocupado com trabalhos e com o Corinthians para poder refletir sobre futebol de maneira lúdica, inteligente e que cative o leitor (ou os leitores, contando comigo), resolvi apenas resumir um pouco das ponderações de alguns intelectuais com muita circulação nas instituições acadêmicas do mais alto grau etílico do país.

Dez minutos após a publicação da crônica, meu telefone tocou. Do outro lado, Sean Fitzgerald. Sean é um dos muitos irlandeses que acessou o blog devido ao texto sobre o Bohemian, é historiador e professor de Football Studies na CSN (Coláiste Stiofáin Naofa, Faculdade de Educação Continuada), em Cork (inclusive o pai dele jogou nos Cork Bohemians, time que não existe mais, mas isso é outra história). Grande admirador do futebol britânico e irlandês disse estar de acordo sobre o ideal implícito do futebol, “usar a violência e extravasar a raiva em seus semelhantes, sejam eles pobres, ricos, fortes ou fracos, mas especialmente ingleses”. Ponderou, no entanto, que alguns estudos recentes no Brasil e nos Estados Unidos apontavam para uma origem no sudeste da América, provavelmente entre Sergipe e o Espírito Santo. Disse que a ligação estava saindo muito cara e o gelo estava derretendo, mas que me mandaria os contatos dos pesquisadores.

Apesar de Fitzgerald, por algum motivo, ter mandado o e-mail em irlandês, consegui pinçar os nomes e e-mails de Thomas Bogart e Jahilton Verde. Os dois trabalham juntos numa pequena missão arqueológica que reúne a Universidade do Colorado e a UFBA (Universidade Federal da Bahia), num lugar não divulgado da chamada Costa do Dendê. Assim que entrei em contato, fui convidado a ir conhecer a missão. Sem medir esforços em nome da informação precisa, peguei meu caderninho, câmera fotográfica, protetor solar, óculos escuros, sunga, chinelos e me mandei.

Bogart, estadunidense de Wray, Colorado (quase Nebraska, quase Kansas), é PhD em arqueologia e há décadas pesquisa “indícios de presença humana em regiões tropicais litorâneas de notória beleza”. Afirma ter encontrado um fóssil de coco datado de 4 mil anos em Arembepe, no verão 1970, ao lado de um esqueleto com traumatismo craniano e diversos calos ósseos no pé direito. “Em várias praias da região se encontrou esqueletos masculinos com calos nos pés, alguns deles rodeados de esqueletos femininos e pedras preciosas” – diz o cientista.

Jahilton, carioca da Tijuca, formado botânico e mestre em história, fez seu doutorado em antropologia, com o título “o hábito de se tomar água de coco – uma abordagem multidisciplinar”. Ele afirma que, ao contrário das versões amplamente difundidas “em revistas de culinária” de que o coco viria do delta do Ganges ou do Pacífico Sul, há evidências muito fortes de que ele se espalhou a partir do Equador pela costa amazônica (que na época era mangue) até atingir a costa do Nordeste, de onde foi levado para o mundo no ciclo do açúcar. Diz que descobriu por acaso um registro sobre algo parecido com o futebol – “que sempre achei um saco” – na carta do segundo enrabadiço da frota de Cabral, Tomás Pinto da Costa, a Josefina Silva, dama de companhia da infanta Maria, filha de D. Manuel I. “Costa deixa claro que Caminha esteve por demais preocupado com vergonhas altas e cerradinhas para notar muitos aspectos da cultura indígena. E além disso é literariamente superior, mas pela função, digamos, pouco nobre do autor do relato na tripulação, o documento fica escondido”.

De acordo com as pesquisas dos dois, os índios Pataxó da costa da Bahia chutavam cocos de uma praia a outra como forma de se comunicar. As condições para pesca, o avanço de uma tribo inimiga, a chegada dos portugueses, tudo era avisado dessa maneira. “Era uma forma de comunicação complexa, que exigia força e muita precisão... Um passe errado da tribo A podia ser interpretado pela tribo B como ‘casamento amanhã, rsvp’ e, enquanto a tribo B se arrumava, a tribo C vinha e a destruía... Era um mundo violento como hoje, mas a técnica individual definia os resultados. Os responsáveis pelos chutes gozavam de muito prestígio” – contou Jahilton. Ao longo do tempo, com os portugueses cada vez mais presentes na costa, os índios tinham que ser rápidos e habilidosos para chegar até a praia, fugir dos brancos, chutar e voltar para a tribo, assim se desenvolveram o elástico, o rolinho, a finta, a olhadinha para o outro lado, a comemoração girando os braços com os punhos fechados (defesa pessoal muito eficiente). Bogart defende que “depois de 3500 anos jogando livremente ou contra tribos sem cultura tática defensiva, os brasileiros tiveram que aprender a lidar com a marcação, essa sim uma invenção européia”, e completa: “em nenhum registro europeu supostamente sobre futebol se menciona a bola, são registros de batalha”. Verde explicou ainda que, antes dos contestados documentos europeus medievais, houve precursores do futebol na China, no Japão, na Grécia, no México e em Roma.

Os dois me levaram ainda para conhecer o último representante da cultura futebolística Pataxó, que tentou demonstrar sua técnica mas estava mais para Galeano do que para Gérson. Ao questioná-lo sobre seu forte sotaque hispânico, porém, o humor dos três, que até então me tratavam como um príncipe, mudou radicalmente e tive que antecipar minha viagem de volta.

8 comentários:

Blog do "SE" disse...

uma aventura na arqueologia do futebol...o Indiana Jones no reino das quatro linhas.

Abentureiro Alagoas João Jr. disse...

Respeito muito o Professor Doutor Jahilton Verde, mas, isso tudo, cá entre nós, é fantasioso e pouco verossímil. Meu amigo e professor reserva da Universidade Brown, que apareçe na foto, o Tertuliano Lindulfo Colodônio Silva, me garantiu por e-mail que não há nem nunca houve escavações arqueológicas em Arembepe - (como ele estava lá então?). Disse que só havia um bando de maconheiros e que nos precisamos parar de pesquisar sobre isso ou então eles virão atrás de nossas famílias.

Anônimo disse...

O paleoMarcelinho me fez passar mal de tanto dar risada!

Zé Pedro, camisa 5 disse...

Caraca, Cobi Jones!... Eu já tinha lido, antes, mas entrei de novo para ver a quantas andava e decidi que esse texto está antológico. Cabe um elogio que poucos merecem: como toda grande literatura, a história não-eurocêntrica do futebol permite variados patamares de profundidade, ao sabor de cada leitor - de um lado, densidade, fruto de vasta erudição e diligente pesquisa acadêmica; de outro, fina leveza, conforme a polida caligrafia do escriba.
Devo, contudo, apontar sérias omissões a respeito da carta de Tomás Pinto da Costa a Josefina Silva: o texto ignora gritantemente as controvérsias existentes a respeito tanto de sua autoria quanto de sua destinatária e de seu conteúdo, em geral devidas à caligrafia rococó e ao estilo tortuoso, elusivo, às vezes retrógrado, do autor, seja ele quem for. Para muitos, o motivo pelo qual os textos atribuídos a Tomás Pinto da Costa foram ignorados é que eles não se referiam exatamente às origens do futebol, mas sim às de um certo tipo de dança indígena praticada entre homens envolvendo bolas que, por ter inspirado mais tarde a fundação do São Paulo Futebol Clube, acabou sendo confundida com o proto-futebol na história oficial construída nas primeiras décadas do século XX. Além disso, sustentam muitos, Tomás não escrevia a mulheres, mas endereçava sua correspondência a nomes de mulher "para não pegar mal", o que pode simplesmente ter confundido os pesquisadores. Por fim, há quem atribua a autoria da carta ao segundo de Caminha, D. Jacinto Aquino Rêgo, o que não contribui muito para a elucidação de seu verdadeiro conteúdo, pelo contrário mantendo a dificuldade em equacionar a questão da história versus história oficial após a fundação do SPFC.
De qualquer modo, ficam os elogios ao paciente trabalho de pesquisa e divulgação científica. Parabéns!
ZP

Anônimo disse...

Look into Our Risqu‚ Prices at www.Pharmashack.com, The Unequalled [b][url=http://www.pharmashack.com]Online Posologist's [/url][/b] To [url=http://www.pharmashack.com]Buy Viagra[/url] Online ! You Can also Testifier Greater Deals When You [url=http://www.pharmashack.com/en/item/cialis.html]Buy Cialis[/url] and When You You [url=http://www.pharmashack.com/en/item/levitra.html]Buy Levitra[/url] Online. We Also Side with a Miraculous Generic [url=http://www.pharmashack.com/en/item/phentermine.html]Phentermine[/url] On account of Your Victuals ! We Chevy away Visualize [url=http://www.pharmashack.com/en/item/viagra.html]Viagra[/url] and Also [url=http://www.pharmashack.com/en/item/generic_viagra.html]Generic Viagra[/url] !

Anônimo disse...

I read this forum since 2 weeks and now i have decided to register to share with you my ideas. [url=http://inglourious-seo.com]:)[/url]

Anônimo disse...

You could easily be making money online in the undercover world of [URL=http://www.www.blackhatmoneymaker.com]blackhat cpa methods[/URL], You are far from alone if you haven’t heard of it before. Blackhat marketing uses not-so-popular or not-so-known avenues to build an income online.

Anônimo disse...

http://site.ru - [url=http://site.ru]site[/url] site
site